BLOG

Mantenha-se informado com as últimas notícias da Stringhini

2 ideias que impedem o crescimento de sua rede de lojas.

1 de fevereiro de 2018 | Por Varejo Inteligente | Clientes Gerenciamento por categoria Monitoramento de mercado Varejo | Nenhum Comentário

_uba7488-divulgacaoExistem modelos mentais que se escondem em práticas do dia a dia das redes de lojas e prejudicam a condução dos negócios. Estes modelos mentais regem muitas das decisões empresariais sem que se reflita sobre a sua origem e, o que é pior, sobre os seus impactos na operação. São formas de pensar que criadas a partir de antigas experiências da organização e de padrões ultrapassados de gestão. Destaco aqui dois que me chamam muito a atenção:

1) A crença na necessidade de supervisão permanente das lojas e;

2) A crença de que treinamentos esporádicos são suficientes.

Associo a crença da “Supervisão Permanente” a origem de operações com a presença constante do proprietário da empresa no ambiente da loja. Nestas empresas existe a convicção de que as coisas apenas funcionam com a presença do dono. No mercado, de forma geral, este conceito sobrevive de várias maneiras. Vai do uso cotidiano do ditado de que é “o olho do dono que engorda o boi” até as empresas que lançam mão do uso recorrente e massivo de equipes de supervisão ou auditores.

No tocante a crença de que treinamentos esporádicos são suficientes tem origem em ambientes semelhantes ao acima descrito. O mesmo fenômeno do dono sempre presente na loja, junto dos funcionários, levava a crer que não há necessidade de treinamento. Se a equipe está próxima de quem mais conhece o negócio e sabe de como as coisas devem ser feitas, por que treinar? Tem-se a ideia de que o treinamento, se necessário, é feito apenas esporadicamente.

Assim, muitas lojas transformaram-se em redes de lojas, mas trazem consigo estes modelos mentais de supervisão permanente e treinamento esporádico. Mesmo que seus fundadores já estejam afastados da gestão dos negócios e até mesmo gestores profissionais tenham assumido o comando das operações permanece na cultura organizacional este modus operandi.

Então, se você ainda acredita em supervisão permanente e na suficiência de treinamentos a cada três meses ou mais, abandone estas ideias. Imediatamente você deve adotar o oposto disto. Deve investir na “Supervisão esporádica” e no “Treinamento permanente”. E quando falo de treinamento permanente, me refiro a treinamento diário. A prática da supervisão esporádica e do treinamento permanente vai transformar sua operação. Vai levá-lo a construir uma rede de lojas autossustentável.

Neste contexto, cada nova unidade agrega mais valor a rede. Cada nova unidade não representa, obrigatoriamente, a preocupação e a necessidade de mais recursos e ou estrutura de prestação de serviços.

Imagine que até hoje é comum vermos empresários receosos quanto a abertura de novas unidades. Ficam temerosos em aumentar o número de unidades porque não conseguirão supervisioná-las como gostariam. Creem que as novas unidades, nestas condições, exigirão muito esforço para alcançar o padrão de operação desejado.

Isto não faz nenhum sentido se tivermos um modelo de negócio baseado em unidades autossustentáveis.

Nos próximos dias nos aprofundaremos mais nestes temas.

João Stringhini
Empresário, Psicólogo, Mestre em Marketing e Gestão Estratégica pela UCES de Buenos Aires e Pós-Graduado em Marketing pela PUC-RS. Experiência de 20 anos em Consultoria de Marketing. Professor da ESPM desde 2003, é sócio-diretor da Stringhini – Varejo Inteligente, consultoria especializada em marketing do varejo, com forte uso de tecnologia.